terça-feira, 26 de julho de 2016

UMA CENA TRISTE E CHOCANTE




                                                             UMA CENA TRISTE E CHOCANTE

 

Uma cena triste e chocante que dói os nossos corações. Além de fanático, o Dilmista era um maluco comprovado. Existem outros petistas malucos que morrem pelo Lulão, eterno pai da corrupção. É muita ignorância, o ser humano lutar e defender esses vermes vermelhos, sem saber o que estão fazendo. Tudo em troca de um pão com mortadela e alguns trocados.

A maioria não sabe o que estão fazendo e não têm ideais, educação e conhecimento do que os canalhas aprontaram com o nosso país e seu povo. São dignos de pena! Mais uma vida sendo ceifada, por culpa desses demônios que ainda aspiram permanecer no poder, com o fim de roubar, roubar e roubar.

Com essa, somam-se a milhares de mortes, produzidos pela falta de investimentos na saúde, saneamento básico, segurança, desemprego, violência, drogas e outras mazelas. Mesmo fora do poder, ainda continuam produzindo estragos por onde passam, amedrontando e aterrorizando o povo inculto e também os seus adversários políticos e pessoas que não compactuam ou concordam com os seus atos de corrupção. Então...

 

ESSES PETRALHAS!

I
Esses corruptos petralhas,

vivem enganando o povo,

são uns patifes e canalhas,

e só gostam de baba-ovo.
II

Mais uma vida foi ceifada,

puxando o saco de Dilmão,

tenho uma tristeza danada,

de quem festeja corrupção.
III

Morreu escalando um poste,

e o outro poste discursando,

não são coisas que eu goste,

com isso eu fico lamentado.


IV

Uma cena triste e chocante,

que ficará em nossa mente,

uma vida se foi num instante,

e o Dilmista era um demente.

V

Ele morreu logo eletrocutado,

Em fios grossos de alta tensão,

Por ser um militonto agitado,

Defensor forte da corrupção.

VI

O evento ainda continuou,

Mesmo com essa tragédia,

O circo não se desarmou,

parecendo uma comédia.

VII

A palhaça fez seu discurso,

sem mencionar o ocorrido,

falou do processo em curso,

não que um ser tenha morrido.
VIII

Será que essa mulher canalha,

vai pagar todo o seu enterro,

nem que patrocine a mortalha,

será sempre culpada do erro.

IX

Dilma lhe dou um aviso,

não precisa tanto viajar,

sou claro e sou preciso,

que bom você renunciar.

X

Não gasta nosso dinheiro,

com viagens e mordomias,

viajando pelo Brasil inteiro,

quem sabe, fazendo orgias.

XI

O brasileiro está sofrendo,

é muito difícil se reabilitar,

e todos já estão querendo,

uma Intervenção Militar.

XII

Cada um tem a sua cruz,

Não adianta o desespero,

Estou sempre com JESUS,

Que é o amor verdadeiro.

XIII

Agradeço sempre a Deus,

O nosso pai do universo,

Felicidades para os seus,

É tudo isso que lhe peço. 

XIV

Estou aqui fazendo um teste,
Com rima, prosa  e  poesia,
Sou o MORAES DO AGRESTE,
Faço versos com alegria. 

XV

Momentos de incerteza,

O país quer consciência

Rogo a DEUS que nos proteja,

A sairmos da indecência,

E é isso que o povo almeja,

Sem nunca pedir clemência.

XVI

Irei parar por aqui,
Sou o MORAES para alguns,
Mas meu nome é JOSEMIR,
E nasci em Garanhuns. 


Autoria: Josemir Moraes - MORAES DO AGRESTE (modesto escriba, afilhado de poeta e caboclo sonhador).

 

 

 

domingo, 24 de julho de 2016

'Falta seriedade', diz Moro em decisão sobre pedido da defesa de Lula.



SOMOS TODOS SÉRGIO MORO

 

Os advogados do petista pleitearam que o juiz responsável pelos processos da Lava-Jato se declarasse suspeito para julgar o ex-presidente.  

Não prosperou o pedido da defesa de Lula para que o juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava-Jato, em Curitiba, se declarasse suspeito para julgar os processos contra o petista. Moro negou, nesta sexta-feira, o pleito, respondendo, no despacho, que a defesa "confunde sua inconformidade com as decisões judiciais com causas de suspeição". 

Os advogados de Lula afirmaram que Moro é suspeito porque ordenhou "ilegalmente" condução coercitiva, buscas e apreensões e interceptações telefônicas contra o petista. Também reclamaram do levantamento do sigilo dos grampos envolvendo Lula e acusam Moro de ter julgado previamente o processo em um documento de explicações enviado ao STF. 

Moro rebateu os argumentos. Disse que, "a fiar-se na tese da defesa, bastaria ao investigado ou acusado, em qualquer processo, representar o juiz por imaginário abuso de poder, para lograr o seu afastamento do caso penal". O juiz concluiu observando que "não há fato objetivo que justifique a presente exceção", sendo apenas "irresignação com as decisões do julgador". 

A defesa também entende que Moro não pode comandar os processos, porque teria relação com veículos de imprensa, motivou a publicação de livros, participou de eventos de entidades como a Lide e o Instituto dos Advogados do Paraná, apareceu em pesquisas eleitorais como oponente de Lula à presidência da República e cuida só dos processos da Lava-Jato.

Moro replicou ponto a ponto, sempre encerrando a resposta com a mesma sentença: "Falta seriedade à argumentação da Defesa Excipiente no tópico, o que dispensa maiores comentários".


 

sexta-feira, 22 de julho de 2016


A MORTE LENTA

 

                                                       

http://3.bp.blogspot.com/-17Q6_fk1g7U/VUDw5y8vECI/AAAAAAAALGg/tYUZnmjLh3c/s400/Doente%2B1.JPG
 A MORTE NÃO MANDA AVISO

 

 Morre lentamente quem não troca de idéias, não troca de discurso, evita as próprias contradições.
Morre lentamente quem vira escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no supermercado. Quem não troca de marca, não arrisca vestir uma cor nova, não dá papo para quem não conhece.


Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru e seu parceiro diário. Muitos não podem comprar um livro ou uma entrada de cinema, mas muitos podem, e ainda assim alienam-se diante de um tubo de imagens que traz informação e entretenimento, mas que não deveria, mesmo com apenas 14 polegadas, ocuparem tanto espaço em uma vida.


Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o preto no branco e os pingos nos is, a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam brilho nos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.


Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto, atrás de um sonho. Quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.


Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não acha graça de si mesmo.

 

Morre lentamente quem destrói seu amor-próprio. Pode ser depressão, que é doença séria e requer ajuda profissional. Então fenece a cada dia quem não se deixa ajudar.

 


Morre lentamente quem não trabalha e quem não estuda, e na maioria das vezes isso não são opção e, sim, destino: então um governo omisso pode matar lentamente uma boa parcela da população.


Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.


Morre muita gente lentamente, e esta é a morte mais ingrata e traiçoeira, pois quando ela se aproxima de verdade, aí já estamos muito destreinados para percorrer o pouco tempo restante. Que o amanhã, portanto, demore muito para ser o nosso dia. Já que não podemos evitar um final repentino, que ao menos evitemos a morte em suaves prestações, lembrando sempre que estar vivo exige um esforço bem maior do que simplesmente respirar.

 

A morte não manda a visão meu irmão. Espero que ela não pegue você de calças curtas, cheio de ódio e rancor, com um coração sem amor. E.. 

 

Morre lentamente companheiro,

Quem vive numa rede de balanço,

Só pensando tolice o dia inteiro,

Alegando que precisa de descanso.

 

Morre lentamente o cidadão ocioso,

Aquele que não ajuda o seu irmão,

Que em sua vida foi um preguiçoso,

E jamais teve JESUS no coração.

 

Morre lentamente os invejosos,

Por falta de estudo e capacidade,

Não trabalham e são falaciosos,

E querem ser os donos da verdade.

 

Morre lentamente e todo dia,

Aqueles que não têm um amor,

Compartilhando dores e alegria,

E ainda acham que é sabedoria.

 

Para você não morrer logo eu aviso,

Faças o bem e nunca olhe a quem,

Só assim você viverá em um paraíso,

Com nosso Deus e JESUS também.

 

Autoria: Josemir Moraes (modesto escriba, afilhado de poeta e caboclo sonhador)

 

 

quinta-feira, 21 de julho de 2016

MORTANDADE EM NICE






MORTANDADE EM NICE
Agora o bicho vai pegar,
a França vai logo atacar,
a Dilminha vai chorar, 
 e o Lula vem acalmar.

 
Quando Dilma foi a ONU,
Lá no momento de falar,
Disse: com o Estado Islâmico,
teremos que dialogar.


Oitenta mortes lá em Nice,
a França promete vingança,
há muito tempo eu disse,
que o ISIS só quer matança.


Vinte bombas já lançadas,
nesse ataque sangrento,
de tiros muitas rajadas,
nessa guerra do momento.


Foi um bombardeio maciço,
Em Raqqa capital da Síria,
a Dilma deu um sumiço,
pensou que era em Brasília.


O mundo tem que agir,
contra esses terroristas,
também temos que sumir,
com os tiranos comunistas.


Se não houver uma união,
das forças do lado do bem,
o mal vai causar a destruição,
da humanidade, olhe bem.


Autoria: Josemir Moraes

quarta-feira, 20 de julho de 2016

PARABÉNS AMIGOS PELO SEU DIA.




 

 O Dia do Amigo e Internacional da Amizade, celebrado em 20 de julho, foi primeiramente adotado em Buenos Aires, na Argentina, através de um Decreto. Aos poucos passou a ser comemorado em outras partes do mundo, e hoje quase todos os países festejam esta data.

A data foi criada pelo argentino Enrique Ernesto Febbraro, que considerou a chegada do homem à lua como um símbolo de união entre todos os seres humanos.

A primeira comemoração pretendia comemorar a chegada do Homem à Lua, significando que juntos, os povos poderiam conseguir superar desafios quase impossíveis.

Não existe sentimento mais puro e verdadeiro do que a verdadeira amizade. Feliz Dia do Amigo!

É maravilhoso sentir todos os dias a sua amizade, embora distante. Você é mais uma pessoa que está presente na minha vida e aceita a minha maneira de ser, com as minhas virtudes e meus defeitos.

 

"Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade." (Confúcio)

 

AMIGOS!

I

Existem vários amigos, 
pobre, rico e doutor,
alguns sugam seu sangue,
o safado e aproveitador.
Mais tem uma meia dúzia,
que sempre lhe dar valor.

II
Tem o amigo palhaço,

o amigo companheiro,
o amigo das baladas,
o amigo raparigueiro.
E tem um que é amigo,
quando tá sem dinheiro.

III
O amigo preguiçoso,
que está na escora,
o amigo que aparece,

se você foi embora.
E o amigão do peito,
amigo de toda hora.

IV
Tem o amigo do face,
que já tá pra lá de mil,
e grande maioria deles,
sei que a gente nunca viu.
E tem os que a gente vê,
só quando ele curtiu.

V
Tem o amigo político,
que aperta sua mão,
ele é muito seu amigo,
na época da eleição.
Mas quando ele é eleito,
Jamais lhe dá atenção.

VI

Para escolher um amigo,

conte de um até três,

sou sincero e lhe digo,

cuidado com o xadrez.

Amigo falso é inimigo,

e você é a bola da vez.

VII

A você que tem amigo,

talvez escolheu a sua cruz,

a verdade eu sempre digo,

o maior amigo é JESUS.

Distância do inimigo,

pois ele não lhe faz jus.

VIII

É assim que a vida vai,

e toda a humanidade,

amigo bom é seu pai,

não minto, é realidade.

Tendo Deus você não cai,

é só amor e fraternidade.

IX

Cada um tem a sua cruz,

Não adianta o desespero,

Estou sempre com JESUS,

Que é o amor verdadeiro.

X

Agradeço sempre a Deus,

O nosso pai do universo,

Felicidades para os seus,

É tudo isso que lhe peço.

XI

Estou aqui fazendo um teste,
Com rima, prosa  e  poesia,
Sou o MORAES DO AGRESTE,
Faço versos com alegria. 

XII

Momentos de incerteza,

O país quer consciência

Rogo a DEUS que nos proteja,

A sairmos da indecência,

E é isso que o povo almeja,

Sem nunca pedir clemência.

XIII

Com isso meus nobres amigos,
quero terminar e me despedir,
não quis nunca ofender ninguém,
foi só para lhe fazer sorrir.

Se você gostou dos versos,
curta e compartilhe aí.

XIV

Irei parar por aqui,
Sou o MORAES para alguns,
Mas meu nome é JOSEMIR,
E nasci em Garanhuns. 


Autoria: Josemir Moraes - MORAES DO AGRESTE (modesto escriba, afilhado de poeta e caboclo sonhador).