NOTÍCIAS

Loading...

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Brasil no vermelho! Dilma faz chantagem e ameaça não pagar empresas se Congresso não aprovar PNL 36 para cobrir o rombo orçamentário de 2014.


As lideranças do PSDB na Câmara e no Senado acabam de publicar Nota Oficial:

É inaceitável a chantagem feita pelo governo federal ao atrelar o pagamento das dívidas com as empresas que fazem obras públicas ao apoio ao projeto de lei que modifica a Lei de Diretrizes Orçamentárias e, por consequência, acaba com a meta de superávit primário, um dos pilares do Plano Real.

Em outras palavras, o PLN 36 libera a gastança e joga no lixo a Lei de Responsabilidade Fiscal, que colocou travas no endividamento público e representou uma grande conquista da sociedade brasileira.

É ainda mais absurdo que a chantagem tenha ocorrido em público, em reuniões e pronunciamentos de dois dos mais importantes ministros do governo de Dilma Rousseff: Miriam Belchior, do Planejamento, e Paulo Sérgio Passos, dos Transportes, o que revela o abandono dos últimos limites do pudor.

Os ministros pediram aos representantes da Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias e da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil que procurem os parlamentares para pressioná-los a apoiar esse inaceitável projeto. Os parlamentares do PSDB e dos demais partidos de oposição estão à disposição de toda a sociedade para discutir abertamente essa proposta e explicar os motivos pelos quais ele não deve ser aprovado.

Os ministros do governo Dilma preferem, no entanto, apostar na articulação entre a necessidade de muitos e o vício de alguns: o poder de convencimento de empreiteiros ameaçados do calote e parlamentares às voltas com o fechamento das contas de campanha.

A presidente tinha todas as condições de fazer um mandato que respeitasse a responsabilidade fiscal. Mas, por incompetência na gestão e pelo uso inescrupuloso da máquina pública para garantir a sua reeleição, vai fechar o ano no vermelho. Os números são inquestionáveis. As contas do governo apresentam neste ano um déficit de quase R$ 16 bilhões. As despesas cresceram 13% em relação ao ano anterior, enquanto as receitas subiram apenas 6,4%. Gastar mais do que tem leva ao desequilíbrio das contas, como bem sabe todo trabalhador.

Se o Congresso modificar a regra da LDO só vai livrar a presidente de responder pelos crimes fiscais que cometeu. Nada além disso. O projeto não vai fazer brotar mais dinheiro, apenas vai tornar legal a série de maquiagens fiscais feita pela presidente e sua equipe econômica ao longo de 2014.

A ministra Miriam Belchior mente ao dizer que “se o Congresso não aprovar a flexibilização do superávit, o que nos resta é parar os investimentos”. O ministro dos Transportes mente ao dizer aos empresários que só pagará as dívidas de R$ 1,4 bilhão se o projeto for aprovado. Se o governo quiser, tem como pagar seus credores. Basta priorizar os gastos e governar pensando no bem da população e não apenas na manutenção de um projeto de poder.

Querer jogar para o Legislativo e, indiretamente, para a oposição, uma responsabilidade que é do Executivo não irá resolver o grave problema das contas públicas. Os investimentos estão baixos pela inépcia e má gestão do governo federal. Que não é de hoje, já que desde 2012 ele não cumpre as metas previstas.

Esses episódios ilustram à perfeição algumas das marcas registradas do estilo petista de governar: a mentira, a irresponsabilidade, a confusão entre interesses públicos e privados, a relação indecorosa com o Congresso.

O projeto de lei cuja aprovação o governo exige não tem o condão de aliviar os problemas de caixa que ele amarga para pagar suas contas.

Não há na proposição o menor vestígio de interesse público. É mero expediente, bizarro, para livrar a pessoa da presidente das consequências jurídica da irresponsabilidade com que vem gerindo as contas da Nação. Essa iniciativa aumenta o descrédito com que foram recebidos os anunciados propósitos do governo de emendar-se, evitando novas estripulias, cujas consequências todos nos conhecemos:  inflação alta, economia estagnada, juros estratosféricos.

Aloysio Nunes Ferreira, líder do PSDB no Senado
Antônio Imbassahy, líder do PSDB na Câmara dos Deputados

Gilmar Mendes afirma: perto do Petrolão, o Mensalão é "pequenas causas".

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), comparou nesta quinta-feira, 2 as investigações na Operação Lava Jato ao processo do mensalão. Citando os valores envolvidos nos dois casos, o ministro afirmou que "agora, a ação penal 470 (mensalão) teria de ser julgada em juizado de pequenas causas, pelo volume que está sendo revelado" na Operação Lava Jato, que está revelando um esquema de corrupção na Petrobras.

"Nós falávamos que estávamos a julgar o maior caso, pelo menos de corrupção investigado, identificado. Mas nós falávamos de R$ 170 milhões", disse Gilmar, sobre o mensalão. Ao falar da Lava Jato, o ministro alertou que é um caso de proporções bem maiores. "Estamos a ver que esse dinheiro está sendo patrimonializado. Quando vemos uma figura secundária que se propõe a devolver US$ 100 milhões, já estamos em um outro universo, em outra galáxia", disse, em referência às notícias de que o ex-gerente-executivo da diretoria de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco, fechou acordo de delação premiada em que se compromete a devolver o valor e contar o que sabe sobre o esquema de corrupção e propina na estatal.

O ministro avaliou como "lamentável" que o esquema revelado pela Lava Jato já estivesse em operação durante o julgamento do mensalão. "Nem o julgamento do mensalão e nem as penas que foram aplicadas tiveram qualquer efeito inibitório. Mostra que é uma práxis que compõe a forma de atuar, de gerir, administrar."

Tempo
Questionado se o processo que derivar da Operação Lava Jato pode se estender por anos no Supremo, como foi o caso do mensalão, Gilmar Mendes disse que hoje há "uma tecnologia processual mais moderna, com o trabalho das turmas". Desde junho, as ações penais são remetidas às turmas do STF e não ao plenário, como forma de agilizar o julgamento. "Mas certamente pode ser um caso trabalhoso. E também já se faz previamente a divisão dos processos. Haverá distribuição, definição de competência", disse Gilmar Mendes.

Professora da USP fala sobre empréstimo do Brasil à Cuba


Especialista em direito internacional diz que dinheiro que Dilma tem tirado do Brasil para emprestar e doar a outros países é motivo de IMPEACHMENT.


Doutora em direito internacional declara em entrevista que atos promovidos pela presidenta Dilma, com empréstimo milionários a outros países, alguns até em segredo, são mais do que justificáveis para se promover o impeachment, pois são atos que violam a constituição e caracterizam improbidade administrativa. Veja o vídeo completo e tire suas próprias conclusões!

Dilma negociou loteamento da Petrobras com Paulo Roberto Costa, segundo fontes do PMDB.


Hoje, na coluna de Dora Kramer, no Estadão, uma bomba:

"Ainda antes da posse em seu primeiro mandato, Dilma Rousseff pediu a dois figurões do PMDB que se reunissem com Paulo Roberto Costa a fim de conversar sobre reforço na sustentação política (originalmente apenas do PP) na diretoria de Abastecimento da Petrobras.

Na cúpula do partido a história do encontro é conhecida e contada como exemplo de que a presidente não esteve afastada dos acertos de loteamento partidário na estatal como quer fazer crer. Embora não se tenha conhecimento de atos irregulares, no contexto atual em que qualquer contato com Paulo Roberto sugere suspeição, os referidos peemedebistas andam apreensivos de que seus nomes venham a ser citados.

Até porque se encontram sentados nos primeiros escalões do partido e do Planalto."

Se alguém achava que a lama estava demorando a chegar na presidente Dilma, chegou.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

PF estoura fraude eleitoral do PT no Norte de Minas. Bolsa Família, aposentadorias falsas, uso de carros-pipa, doação de combustível, Pronaf, dentaduras. Tudo foi usado para roubar a eleição de Aécio.


Lula, Dilma e Pimentel em Montes Claros: fraude eleitoral comprovada.

A Polícia Federal (PF) deflagrou nessa terça-feira (18) a operação “Curinga” com o intuito de coibir fraude nos cofres da Previdência Social no Norte de Minas. No curso das investigações, a PF deparou-se com fortes indícios de crime eleitoral em benefício de candidatos da coligação do PT. Dessa forma, a operação policial será desmembrada.

Isso porque os nomes dos deputados petistas Reginaldo Lopes, reeleito para a Câmara dos Deputados e cotado para assumir o Ministério da Educação, e do deputado estadual Paulo Guedes foram citados no relatório parcial da PF. O envolvimento dos parlamentares com a quadrilha do INSS foi descartado, mas eles podem ter sido beneficiados eleitoralmente.

O esquema de fraude na Previdência foi montado dentro da prefeitura e da Câmara Municipal de Monte Azul. O escritório do INSS em Espinosa, cidade localizada a 40 Km de Monte Azul, foi utilizado pelo bando. Os principais políticos de Monte Azul estão diretamente envolvidos com o rombo nos cofres da Previdência, estimado em R$ 200 mil, e com os crimes eleitorais. Entre eles, o vice-prefeito, três vereadores, três secretários da prefeitura, além do sindicato de trabalhadores rurais da cidade, todos eles ligados ao PT. A partir de documentação forjada, o grupo conseguia aposentadoria para pessoas que nunca foram trabalhadores rurais.

Hoje em Dia teve acesso aos documentos e aos grampos telefônicos da investigação. De acordo com o inquérito, benefícios previdenciários, materiais de construção, combustível, além de cadastros do Bolsa Família, auxílio-doença, Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e até dentaduras foram oferecidos em troca de voto.

Além da Zona da Mata, o Norte de Minas foi a região na qual a presidente reeleita, Dilma Rousseff (PT) obteve maior vantagem perante o tucano Aécio Neves, seu principal oponente. Em Monte Azul, por exemplo, Dilma obteve 76% dos votos da cidade, enquanto Aécio ficou com 14%. Guedes e Lopes conquistaram 30% dos votos válidos do município. Lopes foi o mais votado, e Guedes, o segundo.

Em um dos grampos telefônicos, o vereador Geraldo Moreira dos Anjos, o Ladim (PT), foi flagrado orientando o eleitor Flávio Custódio Teixeira a votar nos candidatos do PT. O vereador petista, segundo o inquérito, intermediou a inclusão da mulher de Teixeira na lista do Bolsa Família. A inclusão dela no cadastro será investigada, já que a maioria das benesses, especialmente os programas de transferência de renda e as aposentadorias, foram destinadas a pessoas que não poderiam ser contempladas.

Em outro diálogo, o vice-prefeito de Monte Azul, Antônio Idalino, o Toninho da Barraca (PT), foi pego autorizando o caminhão-pipa da cidade a fornecer água para uma piscina na casa de um eleitor. Numa outra conversa, o petista determina que a dentista da prefeitura faça dentaduras para eleitores.

Vice, vereadores e secretários envolvidos

Contra o vice-prefeito de Monte Azul, Antônio Idalino Teixeira, o Toninho da Barraca (PT), a Justiça Federal em Montes Claros, no Norte de Minas, decretou mandado de condução coercitiva e busca e apreensão na casa do político e na prefeitura. Ele é considerado uma das principais peças do esquema.

O servidor do INSS de Espinosa Ronaldo de Medeiros Boeira e os vereadores Geraldo Moreira dos Anjos, Geraldo Ladim (PT), e Marineide Freitas da Silva, a Marineide do Sindicato (PT), foram presos temporariamente.

O mesmo ocorreu com o presidente do sindicato dos trabalhadores rurais de Monte Azul, Antônio Tolintino, e seu secretário, Nilton Rodrigues Nunes. Conforme as investigações, os dois são suspeitos de fraudar os processos de aposentadorias rurais por tempo de serviço. Os benefícios eram concedidos a pessoas que não preenchiam os requisitos legais. Já o vereador Francisco de Assis Gonçalves Dias, o Diassis (PP), foi conduzido para prestar depoimento e teve a casa vasculhada pelos federais. Depois do interrogatório foi liberado. 

Três secretárias de Monte Azul também estão entre os investigados. São elas: Aurélia de Paula Santos (Educação), Vanessa dos Anjos Dias (Saúde) e Cássia Michele Gomes (Finanças). Para as três, foram expedidos mandados de condução coercitiva, além de busca e apreensão em suas residências e na prefeitura.

Durante todo o dia, a reportagem fez contatos com a prefeitura e com a Câmara Municipal de Monte Azul, mas até o fechamento desta edição ninguém foi encontrado para comentar a ação da PF. Em entrevista ao Hoje em Dia, o deputado Paulo Guedes classificou a operação de “factoide eleitoral”, mas comprometeu-se a averiguar o assunto. “Se houve alguma irregularidade, não tenho nada a ver com isso. Obtive 165 mil votos em todo o Estado. É impossível policiar todos os aliados”, declarou. 

Mais votado do PT em Minas, o deputado federal Reginaldo Lopes foi procurado no celular e em seu gabinete, em Brasília. A assessora de imprensa do parlamentar em BH chegou a atender os telefonemas do Hoje em Dia. Alegou que o parlamentar estava com a agenda cheia de compromissos. Depois, informou que o parlamentar não iria se manifestar nessa terça.

Operação ‘Curinga’ tem 19 alvos
Ao todo, 19 pessoas são alvo da operação “Curinga”, sendo que 17 foram levadas para a sede da Polícia Federal (PF) em Montes Claros, no Norte de Minas, e outras duas são procuradas. A polícia informou ainda que 39 mandados judiciais de busca e apreensão, condução coercitiva e sequestro de bens estão sendo cumpridos.

Uma segunda fase da operação “Curinga” será deflagrada para reprimir possíveis crimes eleitorais. Os investigados responderão, neste primeiro momento, por crimes contra a administração pública, estelionato, formação de quadrilha e falsidade ideológica, dentre outros. Uma vez condenados, as penas máximas aplicadas aos crimes podem ultrapassar 20 anos. (Hoje em Dia)

Leia aqui a nota do PSDB de Minas.

"Dilma se beneficiou de desvios na Petrobras"



O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), disse na segunda-feira (17) que a presidente Dilma Rousseff se beneficiou diretamente dos desvios na Petrobras revelados pela Operação Lava Jato. "A presidente se beneficiou politicamente porque esse esquema de corrupção da Petrobras, a exemplo do mensalão, é uma forma de formar maioria parlamentar, arrumar apoio político para sua eleição, de somar tempo de rádio e televisão", disse ele.
Apesar de ressalvar que não há provas de enriquecimento pessoal da chefe do governo, o tucano afirmou que a corrupção na Petrobras mostra que os desvios eram parte do método petista de governar, uma espécie de "política de estado para formar maioria parlamentar".
Aloysio esteve numa passeata que pedia o impeachment da presidente, em São Paulo, no sábado. Ele diz, entretanto, que é preciso produzir provas "muito contundentes" antes de iniciar um eventual processo de cassação. O tucano também afirmou que a base aliada não terá argumentos para impedir novamente a convocação de Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras que foi preso na sexta-feira. "Depois dos fatos desse último fim de semana, penso que a base governista não terá condições políticas nem morais de impedir aquilo que nós já tentamos fazer na semana passada, que é a convocação de Renato Duque, Sérgio Machado e Leonardo Meirelles". Machado é o diretor licenciado da Transpetro. Meirelles é diretor do Labogen, um laboratório do doleiro Alberto Yousseff que era usado para movimentar dinheiro sujo. Na semana passada, a base aliada manobrou para impedir a convocação do trio.
Já líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), descartou aprovar um requerimento de convocação de Duque. Antes mesmo de saber se o depoente pretende colaborar, o senador disse que a convocação seria inútil: "Tenho clareza de que simplesmente transportar de um ponto para outro um preso eu entendo que essa não é a melhor forma de investigar", afirmou.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Milhares protestam contra Dilma Rousseff



10428886_574585892641065_1738923322_n

PROTESTO-15.11.2014-480x269Na avenida, sem sombra de dúvida, havia mais de 30 mil pessoas, o que torna o movimento desse sábado a maior manifestação desde os eventos do ano passado. Como a mídia sonega as informações fechamos com algumas pessoas e iniciamos a transmissão online pelo site Sociedade Militar. Depois de meia hora de transmissão a empresa que contratamos para administrar o sistema nos informou que recebemos inúmeros ataques DDoS com intenção de derrubar o site. Infelizmente o sistema não aguentou, e como não temos condições de arcar com os custos de algo mais robusto, o site http://sociedademilitarcom.br/ permaneceu offline por sete horas seguidas até que se conseguisse restabelecer o sistema.
Se a esquerda está com medo de que as informações cheguem ao mundo é sinal que estamos avançando em nossa meta de moralizar esse país.
No Rio de janeiro a galera também foi para as ruas. A maior concentração foi em Copacabana, em frente ao Copacabana Palace, Bolsonaro compareceu. Em Fortaleza e outras cidades também houveram manifestações.
O fato de terem derrubado o site não nos aborrece. Faz parte da luta.
Na manifestação de São Paulo havia dois grandes grupos, com reivindicações claras. Algumas pessoas, ligadas ao movimento MBR, pediam intervenção militar, o que aborreceu, e emburreceu o Lobão. Que abandonou o movimento em pouco tempo, mostrando pra todo mundo sua insatisfação e fazendo alarde do que agora se chama de “racha”. Lobão tem que levar em consideração que o Próprio Olavo de carvalho, seu principal guru, foi um dos que mais pediu a ajuda dos militares para acabar com os desmandos do PT, convencendo milhares de pessoas de que essa era a melhor opção. Agora não é possível “desfazer” tão rápido a cabeça do pessoal.
Já que se aventura em meio ao ambiente político, o cantor tem que ser mais flexível e traduzir o pedido da rapaziada mais radical em algo mais racional. Poderia ter ficado e dito algo assim: “Vejam só pessoal, o Partido do Governo emporcalhou tanto o país que alguns nem acreditam mais na democracia, e por isso pedem intervenção militar”. Depois emendaria assim: “Galera da MBR, agradecemos aos militares por terem nos livrado do comunismo no passado, mas fiquem tranquilos, as manifestações estão crescendo, sociedade não vai deixar que as coisas cheguem a esse ponto, vamos virar a mesa democraticamente.”.
Mas o cantor não falou nada disso, pelo contrário. Se descontrolou, chamou todo mundo de cretino, ficou estressado e pagou mico. No final ele voltou ao evento, como se dependesse dele. Mas o estrago foi feito.
Uma pequena advertência. As idéias são colocadas nas rede, se forma uma massa crítica e a explosão ocorre naturalmente. As idéias infrutíferas naturalmente serão abandonadas. A sociedade que se mobiliza pelas redes não precisa de figurões e novos ditadores, não vale imposição ou showzinho particular. Quem quiser aparecer vai ser é cuspido fora.
Falta de aviso não foi, ontem publicamos um artigo (Aqui) que advertia sobre o risco de racha ainda na gênese desse movimento. Mas ainda dá tempo pra emendar.
Política se faz conversando, cedendo e conquistando. Nunca se deve desfazer de companheiros que buscam o mesmo objetivo pelo simples facto de percorrerem caminhos diferentes. Outro conselho. Nunca discutam em público, nunca exponha membros de seu exército em público, e muito menos ONLINE. Isso fornece munição para o inimigo.
Mas o GRITO DAS RUAS, que ecoa até agora é FORA DILMA e Impeachment.
Musicas cantadas: O PT roubou…. , 123 lula pro xadrez, Hoje eu sou feliz eu vim pra rua pra buscar o meu país.

CPMI da Petrobras aprova quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico do tesoureiro do PT. A casa vai cair.


Vaccari manda no dinheiro do PT desde o tempo em que eles enganavam companheiros na Bancoop.

A CPI Mista da Petrobras aprovou, em votação apertada (12 a 11), das quebras dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. 

O senador Wellington Dias (PT-PI) foi contrário à decisão: - Esse requerimento busca tão somente estimular a disputa partidária. João Vaccari não é indiciado pela Justiça e não está na lista de presos. Temos que ter todo zelo para que a justiça seja feita, mas como base em fatos concretos - argumentou Wellington, que chegou a sugerir a extensão da medida aos tesoureiros dos demais partidos.

O deputado Enio Bacci (PDT-RS) discordou: - Temos que defender a investigação. Doa a quem doer. O Paulo Roberto Costa (ex-diretor da Petrobras) disse que repassava dinheiro a Vaccari. Por isso temos que apurar - disse. ( Do Portal do Senado)

Índice de confiança do empresariado na Dilma continua desabando e atinge pior marca desde 1999.


O Índice de Confiança do Empresariado Industrial (ICEI) recuou 1,0 ponto na passagem de outubro para novembro, para 44,8 pontos. Com a queda, o índice chegou ao nível mais baixo de toda a série histórica, iniciada em 1999. O valor é um ponto menor que o registrado em outubro e 12,3 pontos inferior à média histórica que é de 57,1 pontos, informa a pesquisa divulgada nesta terça-feira, 18 de novembro, pelaConfederação Nacional da Indústria (CNI). Os valores da pesquisa variam de zero a cem. Abaixo de 50 indicam falta de confiança.
 
"O ICEI ficou ainda mais distante da linha divisória dos 50 pontos, o que mostra que a falta de confiança está cada vez mais disseminada entre os empresários industriais", diz a CNI.  A falta de confiança é maior na indústria de transformação, segmento em que o ICEI ficou em 44,3 pontos em novembro, valor 9,1 pontos menor do que o registrado no mesmo mês de 2013. Na indústria extrativa, o índice caiu para 44,6 pontos e, na de construção, recuou  para 45,0 pontos.

Conforme a pesquisa, os índices de confiança nas médias e nas grandes empresas são os mais baixos desde 1999, quando começou o levantamento. Nas médias empresas, o indicador ficou em 43,7 pontos  e, nas grandes, em 45,4 pontos.  Nas pequenas empresas caiu para 44,6 pontos em novembro.

O levantamento foi feito entre 3 e 12 de novembro com 2.807 empresas de todo o país, das quais 1.078 são de pequeno porte, 1.059 são médias e 679 são de grande porte. (Assessoria CNI)

Juiz Moro quebra sigilo dos empreiteiros envolvidos. PF pede prorrogação de prisões. CPMI aprova convocações e acareações. Cerco final se fecha em torno do governo corrupto do PT.


Juízo Final, de Michelangelo: Caronte empurra da sua barca os pecadores para o inferno

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, determinou, nesta terça-feira (18), a quebra do sigilo bancário de 16 dos 24 presos durante a sétima fase da operação. Além da quebra do sigilo bancário dos presos, três empresas suspeitas de fazerem parte do esquema de desvio de dinheiro público da Petrobras tiveram a quebra de sigilo determinada. O pedido de quebra de sigilo bancário dos suspeitos foi feito na tarde desta terça-feira (18) e encaminhado ao Banco Central. 

Os presos que tiveram os sigilos bancários quebrados são: Erton Medeiros Fonseca (Galvão Engenharia), Renato Souza Duque (Petrobras), Ildefonso Colares Filho (Queiroz Galvão), Othon Zanoide de Moraes Filho (Queiroz Galvão), Valdir Lima Carreiro (Iesa), Dalton Santos Avancini (Camargo Correa), Walmir Pinheiro Santana (UTC), José Ricardo Breghirolli (OAS), Eduardo Hermelino Leite (Camargo Correa), Sérgio Cunha Mendes (Mendes Júnior), Agenor Franklin Magalhães Medeiros (OAS), Ricardo Ribeiro Pessoa (UTC), João Ricardo Auler (Camargo Correa), José Aldemário Pinheiro Filho (OAS), Gerson de Mello Almada (Engevix) e Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano e apontado como lobista do PMDB. 

As três empresas que tiveram seus sigilos bancários quebrados são: Technis Planejamento e Gestão em Negócios, Hawk Eyes Administração de Bens e D3TM - Consultoria e Participações. Desde a última sexta-feira (14), a PF colheu os depoimentos de presos da sétima fase da Operação Lava Jato. A PF investiga um esquema de desvio de recursos públicos da Petrobras orçado em pelo menos R$ 10 bilhões.

O delegado Márcio Adriano Anselmo, chefe da Operação Lava Jato, pediu nesta terça-feira, 18, a prorrogação das prisões temporárias de Renato Souza Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobrás, do presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, e do presidente da UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa. Também pediu à Justiça Federal que prorrogue a prisão temporária de Mateus Coutinho de Sá Oliveira, funcionário da OAS em São Paulo, de Alexandre Portela Barbosa, advogado da OAS, e de Walmir Pinheiro Santana, da UTC.

Por sua vez, a CPMI aprovou a quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico de João Vaccari Neto, ex-tesoureiro e operador do esquema de propina do PT na Petrobras. Também aprovou a acareação entre Nestor Cerverá e Paulo Roberto Costa, além das convocações de Renato Duque e Sérgio Machado, todos ex-diretores envolvidos na roubalheira da Petrobras.

COMANDANTE DO EXÉRCITO INTIMADO A EXPLICAR POR QUE MANTÉM MEDALHAS DE MENSALEIROS.


PROCURADORA QUER SABER POR QUE EXÉRCITO MANTÉM HONRARIA A MENSALEIROS.
General Enzo Peri
Segundo fontes militares, o general Enzo Peri tem medo de irritar Dilma e o PT

O comandante do Exército, general Enzo Peri, enfrenta uma tremenda saia justa, em razão de sua relutância, que seus críticos preferem chamar de covardia, de cumprir o decreto que o obriga a cassar a Medalha do Pacificador, uma das principais honrarias militares, de agraciados condenados por corrupção no processo do mensalão. É que a procuradoria da República no Distrito Federal decidiu notificar o general a explicar sua atitude e informar providências no prazo máximo de quinze dias.
Fontes militares garantiram ao Diário do Poder que o comandante do Exército não cumpre o decreto 4.207, de 2003, cassando a Medalha do Pacificador ou a Ordem do Mérito Militar (decreto 3.522, do ano 2000) porque “morre de medo” de irritar a presidente Dilma Rousseff e o PT.
O ofício 8122/2014/PRDF, datado de 30 de outubro, assinado pela procuradora da República Eliana Pires Rocha, foi primeiro encaminhado ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que este, como manda o protocolo, o encaminhe ao destinatário final – o general Enzo Peri.
A procuradora informa ter chegado ao órgão duas representações contra o comandante do Exército. As representações dizem respeito apenas à Medalha do Pacificador conferida ao ex-deputado mensaleiro José Genoino (PT-SP), corrupto transitado em julgado. Mas a procuradora encontrou outros casos.
Eliana Pires Rocha
Procuradora Eliana Pires Rocha
Eliana Pires Rocha lembra em sua comunicação que a Medalha do Pacificador – considerada uma das principais honrarias do Exército Brasileiro – foi concedida a outros condenados por corrupção no processo do mensalão, sem que tenham sido cassadas até este momento, como os ex-deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e Valdemar Costa Neto (PR-SP). Ela também menciona o fato de o ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu, considerado o chefe da quadrilha do mensalão e condenado no Supremo Tribunal Federal, ter sido agraciado com a Ordem do Mérito Militar, no Grau de Grande Oficial. O ex-deputado Roberto Jefferson, outro condenado no mensalão em sentença transitada em julgado, é “comendador” da Ordem do Mérito Militar.
O decreto 4.207/2003 determina a exclusão imediata de agraciados com a Medalha do Pacificador de condenados pela Justiça do Brasil, em qualquer foro, em sentença transitada em julgado, “por crimes contra a integridade e a soberania nacionais ou atentado contra o erário, as instituições e a sociedade brasileira”. Pelo decreto, “a cassação será feita ‘ex officio’ em ato do comandante do Exército em exercício. Já o decreto 3.522/2000, salienta a procuradora Eliana Pires Rocha em seu ofício, determina a exclusão da Ordem do Mérito Militar de agraciados que tenham cometidos os crimes já mencionados.
O assunto foi noticiado há um ano (23 de novembro de 2013), em primeira mão, pela coluna Claudio Humberto, do Diário do Poder, que voltou ao assunto por diversas vezes, sem que o comandante do Exército tenha se dignado a explicar sua atitude, tampouco informar se e quando cumpriria o determinam ambos os decretos. O general pode se esconder de jornalistas, mas não da Procuradoria da República, sob pena de responder na Justiça.

E tem gente que vota nessa gente torpe e nociva à população.


PT derruba imposto zero a remédios
Brasília – O governo federal impediu a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição que dá imunidade de tributos federais nos medicamentos de uso humano (115/2011). A PEC de autoria do senador Paulo Bauer (PSDB-SC) foi rejeitada por 6 x 4 na sessão desta quarta-feira (12) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
Representante do governo na CCJ, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) alegou que a medida provocaria impacto na arrecadação de cidades e estados com a redução do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O texto de Bauer, porém, previa um prazo de cinco anos para a iniciativa entrar em vigor, com taxas de 20% ao ano, o que daria tempo para a União se programar para a alteração.
“A senadora deixou bem claro que o governo não quer abrir mão dos impostos”, lamentou Bauer.
O governo temia também a aprovação, pois a imunidade instalada pela chamada PEC dos Remédios seria em caráter permanente e imutável.
“O objetivo era justamente esse. Deixaríamos de fazer uma política de governo com isenção, que pode ser cancelada a qualquer momento, para termos uma política de Estado, com a qual a população seria beneficiada eternamente”, explicou o senador catarinense.
O senador lamentou que o Brasil vai continuar sendo o campeão mundial na cobrança de impostos sobre medicamentos de uso humano: 33,9%. Nos Estados Unidos, Canadá e Venezuela, por exemplo, os remédios têm impostos zero.

Dilma já era! Será sem nunca ter sido...




Os jornalões, como o Estadão, já escancaram na primeira página e em editoriais a tese sabida pela maioria dos brasileiros com um mínimo de bom senso. É impossível que o Presidente Lula da Silva e a Presidenta Dilma Rousseff não tenham sabido dos escândalos na Petrobras. Duas razões simples justificam a tese: nada se decide naquela empresa sem o aval do controlador majoritário, a União Federal, comandada pelo titular do Palácio do Planalto (ou controlada pela governança do crime organizado?). Assim, Lula e Dilma ficam na inevitabilidade de serem denunciados por responsabilidade.

A situação de Dilma é ainda mais grave. Ela foi "presidente" do Conselho de Administração da Petrobras, durante a gestão presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, o eterno Presidentro. Se insistir na tese inacreditável de que não sabia de nada, assina o atestado de que pecou por incompetência gerencial e tem responsabilidade solidária, com a diretoria da empresa, pelos desmandos de corrupção. Só por milagre Dilma escapará de processos movidos nos Estados Unidos. Uma chefe de Estado acionada civil e criminalmente não tem condições morais de permanecer no cargo. Seu impeachment é inevitável pelo Petrolão.

Se não cair pelas maracutaias na Petrobras, Dilma tem enormes chances de sofrer impedimento ao ser denunciada por crime de responsabilidade (na verdade, irresponsabilidade) por descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal. A base governista terá imensa dificuldade, mesmo sendo maioria no Congresso, para aprovar uma ilegal mudança das regras do jogo na Lei de Diretrizes Orçamentárias. Será temerário autorizar o governo a usar sua "contabilidade criativa" para esconder um rombo nas despesas federais. Se isto ocorrer, o Congresso terá cometido um GOLPE - no pior estilo do socialismo bolivariano.


Os mesmos parlamentares que podem dar o golpe estão apertadinhos. Uns 70 deles temem que seus nada santos nomes apareçam nas delações premiadas e acordos de leniência da Operação Lava Jato. Os executivos de empreiteiras presos pelo juiz Sérgio Fernando Moro, o Homem de Gelo da 13a Vara Federal, vão dedurar seus colaboradores políticos na corrupção bilionária. Exatamente diante do risco de o parlamento ter de passar por uma faxina imediata é que Dilma Rousseff pode aproveitar o momento de tensão e medo para propor aos "companheiros do Congresso" uma salvação golpista, no melhor estilo bolivariana. Eles salvam ela de cair por irresponsabilidade fiscal e o governo (não se sabe como) fará de tudo para salvá-los de futuras punições judiciais.

Nesse cenário absolutamente imoral, Dilma perdeu completamente as condições mínimas de governabilidade. A incapacidade de lidar com a crise econômica que seu desgoverno criou será  a tampa do caixão. Dilma já era! Seu segundo mandato já acaba antes mesmo de começar. A ingovernabilidade é um fato objetivo. Só um golpe em estilo bolivariano pode salvar a cúpula da República Sindicalista de acabar sem direitos políticos ou, na pior hipótese para a nazicomunopetralhada, até na cadeia.

Dilma entrará para a História como a Presidenta Porcina. Aquela que foi sem nunca ter sido.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Aécio insta Dilma a pedir desculpas pela corrupção na Petrobras e no seu governo.


Esta é a mensagem postada por Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, sobre o agravamento das denúncias sobre a corrupção na Petrobras, comandada por ela desde 2003 como ministra das Minas e Energia, presidente do Conselho de Administração, ministra chefe da Casa Civil e presidente da República:

Só agora, após as eleições, confrontada com a gravidade dos fatos, a presidente Dilma Rousseff reconhece publicamente a existência de corrupção na Petrobras.

E surpreende o País ao reagir ao noticiário como se fosse apenas uma espectadora
, uma cidadã indignada, como se o seu governo não tivesse nenhuma responsabilidade com o que ocorreu na empresa nos últimos anos. Como se não tivesse sido ela a presidente do Conselho de Administração da Petrobras, responsável pela aprovação de inúmeros negócios, hoje sob investigação.

Durante a campanha eleitoral, a candidata Dilma tentou virar as costas para a realidade das denúncias. Agora, é a presidente Dilma que tenta se afastar da mesma realidade ao agir como se a Petrobras não fizesse parte do seu governo.

Agindo assim, a presidente zomba da inteligência dos brasileiros, além de desrespeitar a Polícia Federal, ao tentar convencer o País de que as investigações só ocorrem graças à decisão ou permissão do governo. Esquece, mais uma vez, que a Polícia Federal é uma instituição do Estado brasileiro e não do governo, serve ao País e não aos interesses do governo.

Durante a campanha eleitoral, convidei a candidata Dilma Rousseff a pedir desculpas ao Brasil pelo que acontecia na empresa, o que ela se negou a fazer.

Agora que reconhece, ainda que tardiamente, a existência de corrupção, faço novamente o mesmo convite: Presidente, a senhora não acha que está na hora de pedir desculpas ao País pelo que o seu governo permitiu que ocorresse com a Petrobras? 

Lula, el asesor de Raul Castro América TeVé


Faz tempo que a TV americana fala sobre o conluio de Lula e Castro.

FAZ TEMPO QUE A TV AMERICANA DIZ QUE LULA É ASSESSOR DE RAUL CASTRO....
Vergonha !!!!! Tv americana diz que:
* Lula é assessor direto de Raul Castro, e ganha milhões assessorando o ditador cubano.
* Que não entendem como o povo brasileiro é cego e não vê isso. 
* Que filho de Lula só pode ser mágico ou ter muita sorte para enriquecer da forma que enriqueceu, etc, etc, etc,
Assistam e espalhem ao máximo isso !!!